Bem-vindas e bem-vindos!!!

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
A Ginástica Para Todos (ou Ginástica Geral) é uma modalidade que permite a participação de TODAS as pessoas, independente de idade, gênero, classe social ou condições técnicas. Por meio de seus valores e regras flexíveis, ela permite a valorização do trabalho em grupo ao mesmo tempo em que valoriza a individualidade de cada pessoa que a pratica.

Através deste blog, espero poder dividir o meu conhecimento e a minha experiência em Ginástica Para Todos e contribuir para a sua difusão para que um dia ela possa ser desenvolvida no Brasil com a mesma qualidade com que é desenvolvida em outros países.
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Obs.: o Blog se chamava "Ginástica Geral", mas devido a mudança de nomenclatura da modalidade pela FIG (Federação Internacional de Ginástica), o nome adotado para o Blog também mudou para "Ginástica Para Todos".


Conhecendo a Ginástica Rítmica Masculina

             Siiiiiim, ELES também fazem Ginástica Rítmica!!! 

     Olá, pessoal. Na última postagem apresentei a Ginástica Rítmica (GR), como uma das ginásticas que compõem a Ginástica Geral (GG). E comentei que a modalidade é reconhecida pela Federação Internacional de Ginástica (FIG) como sendo uma modalidade estritamente feminina. No entanto, hoje estou aqui para apresentar a GR Masculina, uma variação da modalidade que surgiu no Japão e que tem sido difundida em alguns países, principalmente nos países orientais. Essa é mais uma postagem da série "Conhecendo as Ginásticas Competitivas" ;)

                    Mas antes, gostaria de dizer que fico feliz em estar escrevendo esta postagem, que é fruto do meu Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Educação Física (2009), trabalho este que pude apresentar em 2010 no V Fórum Internacional de Ginástica Geral e, recentemente, no Congresso MOVE 2012. E aproveito o espaço para agradecer a alguns profissionais que na época foram muito importantes para a realização deste trabalho:

               - Profa. Ms. Maria Teresa Bragagnolo Martins → minha orientadora e mestra que, além de ter sido de grande influência para a minha formação profissional e atual paixão por Ginástica Geral, foi minha companheira na realização desta pesquisa.
               - Profa. Ms. Carmem Lúcia Leme de Lima → uma grande difusora da GR Masculina aqui no Brasil, que compartilhou grande parte do seu conhecimento sobre a modalidade comigo durante a pesquisa. Boa parte do que sei sobre a GR Masculina é graças a ela.
                - Profa. Dra. Roberta Gaio → uma das mais importantes profissionais na área da GR, com quem troquei várias informações e reflexões sobre a possibilidade de desenvolvimento da GR Masculina no Brasil.
                 - Prof. Mario Lam (Canadá) → um dos principais difusores da GR Masculina no Ocidente, que também compartilhou parte de seu conhecimento comigo através de e-mails. Responsável pelo site Men Rhythmic Gymnastics, uma das poucas referências acessíveis para nós ocidentais.


Agora sim, vamos ao que interessa!!


               A GR Masculina começou a ser praticada no Japão após a II Guerra Mundial, com o objetivo de ajudar na recuperação do país através da atividade física visando promover a saúde da população. Com base em movimentos vindos da Calistenia e das Artes Marciais, a atividade (praticada na época apenas pelos homens) foi se desenvolvendo, a ponto de tornar-se uma modalidade esportiva. Até que, em 1969, a GR Masculina foi regulamentada pela Confederação Japonesa de Ginástica.

GR Masculina na Gymnaestrada de Lisboa (2003)
                  A modalidade passou a ser praticada em diversos clubes e universidades do Japão, e, posteriormente, em outros países do Oriente como Malásia e Coreia do Sul. Depois, outros países tomaram conhecimento da modalidade, sendo realizado, em 2003, o primeiro campeonato internacional de GR Masculina, no qual também participaram países como Austrália, Estados Unidos e Canadá. No mesmo ano, o Japão levou apresentações de GR Masculina para a Gymnaestrada Mundial de Lisboa (Portugal), com o objetivo de difundir o esporte.

                      A FIG, mesmo tendo conhecimento da existência dessa adaptação da GR para o público masculino, ainda não reconhece a modalidade, alegando que não há um número suficiente de países praticantes, ainda que outros campeonatos internacionais já tenham sido realizados após 2003, com base nas regras propostas pela Confederação Japonesa.

              De fato, a GR Masculina é pouco conhecida, sendo que a maior parte dos materiais encontrados explicando sobre a modalidade (regulamentos, por exemplo) são encontrados apenas em sites orientais, o que dificulta mais ainda a sua divulgação por aqui. 

                        Mas afinal de contas, como é essa GR Masculina??

                       A GR Masculina, assim como a Feminina, é praticada com a utlização de uma música e a realização de séries, individuais ou em conjunto (conjunto com 6 ginastas na GR Masculina e não 5 como na Feminina), nas quais os atletas devem executar elementos corporais manipulando aparelhos de pequeno porte, para as competições individuais, ou sem aparelhos (mãos livres) para as séries de conjunto.

                       Na foto abaixo podemos ver os aparelhos utilizados nas séries individuais masculinas:

Corda (igual a feminina), Arcos (menores que o arco feminino e usados em pares), Maças (diferentes no peso e tamanho das maças femininas, mas também usadas em pares) e Bastão

                       Assim como na GR Feminina, cada aparelho possui um conjunto de exigências técnicas (lançamentos, balanceios, manejos, entre outros), que devem estar associadas a elementos corporais, como saltos, saltitos, ondulações, equilíbrios, elementos de flexibilidade, entre outros. Quanto mais elementos integrados, maior o nível de dificuldade da série.

                       Já nas séries em conjunto não são utilizados aparelhos, sendo chamadas séries de mãos livres, onde 6 ginastas também executam os elementos corporais, por meio de movimentos expressivos de dança, Artes Marciais e acrobacias de solo da Ginástica Artística. Aliás, uma diferença fundamental nas GRs é que a GR Masculina exige a realização de acrobacias com fase de vôo (saltos mortais, flic flac, saltos com mergulho) ao contrário da Feminina. De um modo simples, é como se a GR Masculina fosse uma mistura de solo de Ginástica Artística com dança.

Alguns elementos corporais da GR Masculina: Avião (canto esquerdo acima), Parada de Mãos (canto direito acima), movimentos expressivos de balanceios, circunduções e ondulações (canto esquerdo abaixo), Flic Flac (canto direito abaixo)

                       Nas séries em conjunto também são exigidas colaborações entre os ginastas, bem como momentos em que os ginastas devem realizar acrobacias complexas de forma simultânea, ou ainda passando por cima uns dos outros ao longo dessas acrobacias (coisa de ninja...rs).

                       Mas para que vocês possam entender melhor a GR Masculina, vou deixá-los com alguns vídeos. O primeiro é de uma apresentação de conjunto (mãos livres). E aproveito para falar que eu sou FÃ do sincronismo japonês...rs

Conjunto de Ginástica Rítmica Masculina - mãos livres


                    O segundo vídeo é do atleta Kazuya Dekita (Kokushikan University - Japão), com quem tive a oportunidade de aprender um pouco mais sobre a GR Masculina em um curso que ele deu sobre a modalidade, em julho desse ano, no VI Fórum Internacional de Ginástica Geral. Nesse vídeo ele apresenta uma série "mix" (não oficial, apenas para apresentação) para mostrar alguns dos aparelhos usados nas séries individuais, no caso a corda, os arcos e o bastão. E vou contar que eu me senti um PATO no curso dele, pois as manipulações "básicas" deles são muito difíceis para nós mortais!! rs..

Kazuya Dekita no VI Fórum Internacional de Ginástica Geral utilizando corda, arcos e bastão.


                         E o último vídeo é de uma série individual de maças. Essa sim é uma série oficial, de competição.

 
Ginástica Rítmica Masculina - série individual de maças


                Já existem alguns trabalhos com GR Masculina sendo desenvolvidos aqui no Brasil também. Claro que o desenvolvimento pleno desse esporte ainda precisará passar por muitas barreiras, culturais inclusive, para acontecer de fato. Mas o Blog GG fez a sua parte... e agora você conhece um pouco sobre a GR Masculina!! ;)

                         Espero que tenham gostado. Até a próxima!!

------------------------------------------------------------------------------------------------

Essa postagem faz parte da série "Conhecendo as Ginásticas Competitivas". Confira:
 
E muito mais no Blog GG ;)

Um comentário:

  1. Muito boas estas informações acerca da Ginástica Rítmica Masculina. Obrigado, Thiago Xavier.

    ResponderExcluir

Seu comentário será analisado e postado em breve.